sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Uma historia de amor entre pais e filhos:


O ano era 2006, meus dois filhos residiam em Londres e não cansavam se de  nos  relatar  o quão boa, importante e divertida  estava sendo aquela experiência para eles.

Em 2007 fui  passar as férias na cidade da rainha, e foram férias mágicas e maravilhosas.

De volta ao Brasil, devido a alguns problemas, somado a uma dose de aventura minha e de meu marido, decidimos também mudar nos  para Londres, numa idade em que não é comum  este tipo de aventura, a não ser que seja por  transferência de trabalho ou por  aposentadoria, o que não era  o nosso caso.

Meus dois filhos foram unânimes em nos desencorajar. Temiam  que não nos acostumássemos  pois não teríamos moradia confortável como tínhamos, nem tampouco um trabalho bem posicionado como  sempre trabalhamos no Brasil.  Temiam que nos arrependêssemos.

 Meu filho mais velho e sua esposa, para o meu pesar, já haviam retornado ao  Brasil  por ocasião  de nossa partida, e o mais novo, que residia com a esposa em Londres,  nos providenciou o aluguel de um lugar  confortável   num bairro  charmoso  no subúrbio da cidade.

No ínicio, meu filho e minha nora nos tratávamos como  se  fossemos  seus filhos, nos dando apoio  e nos ensinando a viver num lugar com costumes e vida tão diferente. Sempre fizemos porém questão de preservar alguns princípios  que entendíamos imprescindiveis para nossas boas relacões e convivência, como o fato de nunca  termos resido na mesma casa, nem tampouco a obrigacão de encontros semanais.

Sem a “obrigacão” de nos encontrarmos em períodos pré combinados porém, passamos bons  momentos  juntos, e  é  sempre divertido  e delicioso quando  nos reunimos.

Com o tempo fomos ficando independentes, e hoje temos uma vida estável e boa. Adoramos viver  aqui.

Mas na próxima segunda feira, meu filho mais novo e minha nora vão voltar a morar no Brasil.  Novamente meus dois filhos estarão vivendo em um país distante do meu, só que desta  vez de maneira invertida.

Estou triste, muito triste. Eu realmente não sei o que, e onde  é  o  melhor para eles, num mundo tão incerto e louco como o que estamos vivendo, só  sei que vou sentir muita falta.

Mas agora toda a nossa família, eu, meu marido, meus filhos e minhas noras já  sabemos que comecar uma nova vida em outro lugar  é sempre emocionante, e que  apegar-se a lugares e coisas  não nos fazem felizes.

Quem sabe onde estaremos  vivendo daqui há alguns anos....

Ligia Kaysel

Um comentário:

Priscila Valdes disse...

Ahhh deu um aperto no coração...:/